Histórico

http://cpai.unb.br/institucional-2/historico/&rft.language=English&rft.au=admin">

Em 2003, por recomendação da CAPES, foi analisada e aprovada proposta de restruturação das linhas de pesquisa para o Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação – PPGCInf, da UnB. As três novas linhas foram denominadas: gestão da informação e do conhecimento, comunicação da informação e arquitetura da informação. De forma pioneira, o PPGCInf instalou a linha de pesquisa em Arquitetura da Informação, promovendo inovação no conceito sobre Ciência da Informação no Brasil. A partir de então, o grupo de professores inserido em Arquitetura da Informação iniciou sua produção científica, formando mestres e doutores especializados em Arquitetura da Informação. Particularmente, o grupo de estudantes vinculados ao Prof. Mamede Lima-Marques dedicou-se em estruturar fundamentos epistemológicos, teorias e modelos sobre Arquitetura da Informação de forma a preencher esta lacuna desta nova especialidade. Em setembro de 2005, uma Comissão Especial de Estudos formada por especialistas indicados pelo CNPq, CAPES e FINEP, elaborou a “Nova Tabela das Áreas do Conhecimento”, onde definiu as Ciências Socialmente Aplicáveis como grande área e a Ciência da Informação – CI como área. A Ciência da Informação fora composta por Fundamentos da Ciência da Informação, Gestão da Informação, Tecnologias da Informação e Informação Especializada, e Arquitetura da Informação classificada como uma nova especialidade, sendo que esta é a tabela ainda usada pelas referidas agências de fomento.

Com forte atuação na área do Governo Federal, o grupo de estudantes juntamente com o Prof. Lima-Marques já desenvolvia uma série de trabalhos práticos especializados em Arquitetura da Informação, como Arquitetura da Informação Organizacional, Arquitetura da Garantia da Informação, dentre outras.

Em maio de 2007, o Prof. Lima-Marques conseguiu reunir as condições necessárias para a criação de um centro de pesquisa, ao qual atribuiu o nome de Centro de Pesquisa em Arquitetura da Informação – CPAI. O CPAI, criado no núcleo administrativo da Faculdade de Administração, Contabilidade e Economia (FACE), foi aprovado por unanimidade em maio de 2007, na 332ª Reunião do seu Conselho. De vocação puramente acadêmica, o CPAI tornou-se realidade em meio a uma das mais dramáticas crises da UnB.

Em junho 2008, o CPAI instala-se no subsolo do prédio da Reitoria. Organiza seu espaço onde permaneceria até outubro de 2012. Visando tornar mais eficiente e transparente o processo de gestão orçamentário-financeira e de pessoal, em setembro de 2008 o CPAI foi transformado em Unidade Gestora da FUB/UnB, ganhando importante autonomia na gestão de seus recursos.

Em dezembro de 2009, viabiliza seu primeiro recurso financeiro junto ao Ministério da Educação e implementa o Laboratório de Tecnologias Avançadas – LTA.

Em 2010, o CPAI dá início à execução do seu primeiro Programa de Pesquisa, financiado pelo Ministério da Educação, e estrutura seu programa de Bolsas de Pesquisa.

Em 2011, enfrentado greves de professores e servidores técnicos-administrativos, o CPAI passa por momentos de consolidação de seu propósito e dá início ao planejamento de seu Programa de Mestrado Acadêmico em Arquitetura da Informação. Revisa intensamente seus propósitos a partir de encontros e intensas discussões em foros científicos e tecnológicos.

Em 2012 o CPAI é transferido para a recém-criada Faculdade de Ciência da Informação e consegue negociar importantes projetos que consolidam sua posição como Centro de Pesquisa da UnB.

O período a partir de 2013 possibilita ao CPAI dar continuidade e amadurecer sua vocação para a pesquisa aplicada, com a celebração de protocolos de intenções, acordos de cooperação técnico-científica, convênios e contratos com diversos órgãos de todas as esferas públicas. A ampliação da quantidade de projetos traz riqueza e diversidade às linhas de pesquisa, com o consequente desenvolvimento de novas metodologias e modelos, dentre os quais se destaca a Metodologia de Arquitetura da Informação Aplicada (MAIA), que passa a ser a base de desenvolvimento dos estudos e projetos do Centro.